Após ter sido dada como morta, vítima do incêndio em Minas é reanimada

Por: Matheus Feitosa Escritor da News365
5 crianças morreram.
Notícias 07 Outubro 2017 7h 45min

Além do vigia que cometeu o crime, cinco crianças e uma professora morreram.

5 crianças morreram.
5 crianças morreram.

Após ter sido dada como morta, vítima do incêndio em Minas é reanimada

Além do vigia que cometeu o crime, cinco crianças e uma professora morreram.

Notícias 07 Outubro 2017 7h 45min

Uma criança, que inicialmente havia sido dada como morta pelas autoridades competentes em Minas Gerais, foi retirada da lista de mortos da na manhã desta sexta-feira (6). Cecília Davina Gonçalves Dias, de quatro anos de idade foi reanimada, é o que informa o o Corpo de Bombeiros. Ela estava internada no Hospital João e, felizmente está viva. 

Ela estava em parada cardíaca e após os médicos fazerem algumas tentativas de reanimação, ela foi reanimada. Até o momento, sete mortes foram confirmadas pelas autoridades mineiras. O vigia, que é apontado como o criminoso, a professora que entrou em luta corporal com ele durante o incêncio e cinco crianças, todas com quatro anos de idade.

Damião Soares Santos, de 50 anos trabalhava na creche, que fica localizada em Janaúba, há oito anos. O município fica localizado no norte de Minas Gerais e foi o palco do acontecimento desastroso que deixou mortos e outros feridos. O homicida morreu no início da tarde de quinta-feira no Hospital Regional de Janaúba após ter quase 100% de seu corpo carbonizado pelas chamas.

O homicida teria ainda abraçado crianças enquanto pegava fogo. Ele trancou as salas da creche para que ninguém pudesse fugir. Ao menos 50 crianças estavam no local no no horário do recreio.

A Polícia Civil de Minas Gerais conseguiu identificar que o homem tinha problemas mentais e era obcecado por crianças. As investigações ainda apontam que o crime foi premeditado: o pai dele havia morrido três anos atrás num dia 5 de outubbro, foram encontrados diversos galões com combustíveis altamente inflamáveis na casa do homem e ele ainda disse que "que daria um presente a todos, se matando em breve”.

Mortes confirmadas até o momento: Juan Pablo Cruz dos Santos, Luiz Davi Carlos Rodrigues, 
Ruan Miguel Soares Silva,  Ana Clara Ferreira Silva e Renan Nicolas dos Santos Silva, todos com quatro anos de idade. Heley de Abreu Batista, de 43 anos, a professora e Damião Soares Santos, de 50 anos, quem arquitetou o ataque.

Mais de 20 pessoas ainda estão internadas na cidade e em municípios vizinhos a grande maioria é de crianças. O governo do estado enviou toda a ajuda necessária para que as vítimas fossem atendidas. "Estão à disposição 30 médicos, 30 enfermeiros e 50 técnicos de enfermagem”, disse o diretor do Hospital Regional.  

O presidente Michel Temer se manifestou no Twitter sobre o ocorrido: “Lamento imensamente essa tragédia com as crianças em Janaúba (MG). Quero expressar a minha solidariedade às famílias”, escreveu. “Eu que sou pai imagino que esta deve ser uma perda muitíssimo dolorosa. Esperamos que essas coisas não se repitam no Brasil.”

Uma criança, que inicialmente havia sido dada como morta pelas autoridades competentes em Minas Gerais, foi retirada da lista de mortos da na manhã desta sexta-feira (6). Cecília Davina Gonçalves Dias, de quatro anos de idade foi reanimada, é o que informa o o Corpo de Bombeiros. Ela estava internada no Hospital João e, felizmente está viva. 

Ela estava em parada cardíaca e após os médicos fazerem algumas tentativas de reanimação, ela foi reanimada. Até o momento, sete mortes foram confirmadas pelas autoridades mineiras. O vigia, que é apontado como o criminoso, a professora que entrou em luta corporal com ele durante o incêncio e cinco crianças, todas com quatro anos de idade.

Damião Soares Santos, de 50 anos trabalhava na creche, que fica localizada em Janaúba, há oito anos. O município fica localizado no norte de Minas Gerais e foi o palco do acontecimento desastroso que deixou mortos e outros feridos. O homicida morreu no início da tarde de quinta-feira no Hospital Regional de Janaúba após ter quase 100% de seu corpo carbonizado pelas chamas.

O homicida teria ainda abraçado crianças enquanto pegava fogo. Ele trancou as salas da creche para que ninguém pudesse fugir. Ao menos 50 crianças estavam no local no horário do recreio.

A Polícia Civil de Minas Gerais conseguiu identificar que o homem tinha problemas mentais e era obcecado por crianças. As investigações ainda apontam que o crime foi premeditado: o pai dele havia morrido três anos atrás num dia 5 de outubbro, foram encontrados diversos galões com combustíveis altamente inflamáveis na casa do homem e ele ainda disse que "que daria um presente a todos, se matando em breve”.


Fontes:




© 2017, News 365 todos os direitos reservados.